Ele foi refugiado

Em pleno Século XXI, aliás, quase chegando a completar a segunda década, no momento em que o homem pensa em usar a Lua como trampolim para chegar a Marte; em que as comunicações, as redes sociais, os avanços na tecnologia e as mudanças ocorrem a cada momento, continuamos a vislumbrar fato social de tempos idos: o problema dos refugiados em todos os continentes. Alguns são mais midiáticos que outros e ocupam o noticiário diariamente. Outros simplesmente são invisíveis, ou só mostrados em raras ocasiões. O fato é que há seres humanos sofrendo, visíveis ou na surdina. É a vergonha de uma sociedade que valoriza o ter, e não o ser.

Quando pensamos nesse tema, reportamo-nos há quase dois mil anos, quando o Filho de Deus, Jesus Cristo, Senhor e Salvador, nasceu. Ele foi um refugiado. Após os Reis Magos saírem do encontro com Herodes e irem a Belém visitar o Menino Jesus, José e Maria foram advertidos por Deus para não voltarem ao palácio, mas regressarem por outro caminho: “Tendo eles partido, eis que apareceu um anjo do Senhor a José, em sonho, e disse: Dispõe-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egito e permanece lá até que eu te avise; porque Herodes há de procurar o menino para o matar. Dispondo-se ele, tomou de noite o menino e sua mãe e partiu para o Egito; e lá ficou até a morte de Herodes, para que se cumprisse o que fora dito pelo Senhor, por intermédio do profeta: Do Egito chamei meu filho.”(Mateus 2: 13-15).

Nosso Salvador foi um refugiado. Por isso, como cristãos, devemos orar e interceder por aqueles que saem de seu lugar de origem e, assim, tomam-se refugiados; devemos, aliás, até mesmo cuidar quando possível. A Bíblia aponta em diversas passagens esse tema, eis alguns deles:

– “Se o estrangeiro peregrinar na vossa terra, não o oprimireis. Como o natural, será entre vós o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-eis como a vós mesmos, pois estrangeiro fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor; vosso Deus.”(Levítico 19:33,34);

– “Pois o Senhor vosso Deus é o Deus dos deuses, (..) que faz justiça ao órfão e a viúva e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e vestes. Amai, pois, o estrangeiro, porque fostes estrangeiros na terra do Egito.” (Deuteronômio 10:18,19);

“Eis que foi a iniquidade de Sodoma, tua irmã: soberba, fartura de pão e próspera tranquilidade teve ela e suas filhas; mas nunca amparou o pobre e necessitado.” (Ezequiel 16:49).

Portanto, como cristãos, devemos nos colocar em apoio e em ajuda de todas as formas àqueles que estão vivenciando tal situação. Jesus foi um refugiado, portanto, como discípulos Dele, estendamos nossa mão de amor, misericórdia e compaixão àqueles que passam pelo sofrimento. Além disso, não nos esqueçamos, sobretudo, de orar para Deus abrir os olhos dos poderosos deste mundo, que um dia serão julgados pelo Rei dos reis, Senhor dos senhores.